Em fevereiro, o saldo entre admissões e demissões na indústria da construção foi positivo, resultando na abertura de 35.053 empregos, um crescimento de 1,25% em relação ao número de empregados no setor em janeiro.

No bimestre, o setor abriu 81.774 novos empregos (+2,98%), enquanto no acumulado de 12 meses, até fevereiro, criou 177.904 vagas (+6,71%).

O volume corresponde a 11,5% do saldo total, que em fevereiro resultou na abertura de 306.111 mil empregos, considerando todos os setores da atividade econômica no país.

Os dados são do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na quarta-feira (27) pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Segundo o SindusCon-SP, o setor está perto de recuperar o nível de emprego que registrou em outubro, após a queda sazonal nos dois últimos meses do ano.

“Devemos seguir gerando novos postos de trabalho ao longo do ano, em função de novas obras de construção residencial, especialmente dentro do programa Minha Casa Minha Vida, mas também de novas obras de infraestrutura no âmbito do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e de investimentos dos entes federados, sobretudo prefeituras”, afirma Yorki Estefan, presidente do SindusCon-SP.

A construção foi o terceiro setor que mais abriu empregos em fevereiro, atrás de Serviços (193.127) e Indústria (54.448), mas à frente de Comércio (19.724) e Agropecuária (3.759).

Nas atividades imobiliárias do setor de serviços (incorporação imobiliária), foram abertos 801 novos empregos em fevereiro – aumento de 0,41% em relação ao número de novos postos de trabalho com carteira assinada em janeiro.

No bimestre, foram gerados 1.230 empregos (+0,63%) no segmento e, no acumulado de 12 meses, 5.044 novas vagas (+2,66%).

Estoque – Ao final de fevereiro, a construção empregava 2.829.843 trabalhadores com carteira assinada no país, de acordo com o Novo Caged.

Dos empregos gerados pela construção em fevereiro, 11.660 situaram-se no estado de São Paulo.

Além de São Paulo, os estados em que o setor mais abriu empregos no mês foram, pela ordem, Minas Gerais (4.912), Rio de Janeiro (3.237), Paraná (2.592), Santa Catarina (2.197), Pará (1.778), Mato Grosso (1.481), Goiás (1.359) e Ceará (1.089).

Fonte: Grandes Construções